jueves, 23 de febrero de 2017

NOTA DO GRUPO ELO SOBRE A REFORMA DE ENSINO MÉDIO EM BRASIL

Nota pública do Grupo de Estudos da Localidade – ELO sobre aprovação da MP do “Novo Ensino Médio”


         Nós, do grupo ELO, realizamos leitura e discussões sobre a Medida Provisória 746/16 e reiteramos as notas públicas divulgadas pela Anped (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação), Anpuh (Associação Nacional de História) e AGB (Associação dos Geógrafos Brasileiros). Esse documento foi aprovado pelo Senado Federal em 08/02/2017 e recebeu sanção presidencial em 16/02.

            Vemos com preocupação a fragmentação dos “percursos formativos” que podem levar a um empobrecimento ou reducionismo curricular, bem como aponta uma tendência tecnicista, focada na inserção profissional sobre os aspectos humanistas. Consideramos que o acelerado trâmite para a aprovação da MP 746/16 impediu o diálogo com as entidades ligadas à educação e reforça o cunho conservador dessa proposta, já questionada inclusive pelo Procurador Geral da República em uma ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade) junto ao STF. Devemos recordar também das manifestações estudantis contrárias a esta Reforma que sofreram repressão.

            De acordo com o texto aprovado, o currículo do Ensino Médio será composto pela BNCC (Base Nacional Comum Curricular), cuja 3ª versão ainda não foi divulgada. Em razão das informações pouco esclarecedoras apresentadas pelo MEC a respeito do “Novo Ensino Médio”, consideramos incerto o lugar das disciplinas de História e Geografia na reformulação do Ensino Médio, etapa final da Educação Básica. De acordo com o artigo 22 da LDB 9394/96, “a Educação Básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comumindispensável para o exercício da cidadania (...)” (grifo nosso). Ao prever “diferentes arranjos curriculares” e variados itinerários formativos, que terão seus critérios estabelecidos em cada sistema de ensino, a nova proposta desobriga o poder público quanto à oferta de um ensino equânime para todos.

            Por meio dessas rápidas considerações, gostaríamos como Grupo de Estudo e Pesquisa, que pensa a História e a Geografia como saberes acadêmicos e como Práticas de Ensino, demonstrar nossa insatisfação em relação à indefinição dessas disciplinas nas atuais políticas educacionais.


Fotografia do site do Extra
Disponível em: http://extra.globo.com/noticias/educacao/vida-de-calouro/reforma-do-ensino-
medio-so-deve-afetar-enem-vestibulares-em-2019-20960505.html
Acesso em: 23fev.2017.

lunes, 20 de febrero de 2017

Los geógrafos iberoamericanos buscan romper la colonización cultural anglosajona

En los documentos adjuntos os enviamos la declaración de Journal of Latin American Geography sobre el colonialismo académico y cultural. Creemos que es una noticia de especial relevancia para el geoforo Iberoamericano y por eso la publicamos. 

Portugués
https://drive.google.com/file/d/0B_IuEakR7Q8KbkFtdVZuU0Q5OHc/view?usp=sharing

Castellano

https://drive.google.com/file/d/0B_IuEakR7Q8KUkZ3dFFuZllsdWM/view?usp=sharing

English

https://drive.google.com/file/d/0B_IuEakR7Q8KWEhiZlZ5bVNaS0E/view?usp=sharing


martes, 7 de febrero de 2017

Encontro Nacional de Geografia em Brasil

XII ENANPEGE - ENCONTRO NACIONAL DA ANPEGE (Associação Nacional de Pós-Graduação em Geografia) acontecerá entre os dias 12 a 15 de outubro de 2017, no Brasil. O tema escolhido para o evento é Geografia, Ciência e Política: do pensamento à ação da ação da ação ao pensamento. A escolha deste tema se associa a conjuntura nacional vivida nesses dois últimos anos. Um dos grupos de trabalho do evento é sobre o CURRÍCULO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS NO ENSINO DA GEOGRAFIA. Informações pelo sítio:

http://www.enanpege.ggf.br/2017


jueves, 2 de febrero de 2017

LOS GEÓGRAFOS AMERICANOS CONTRA LAS LEYES XENÓFOBAS DE D. TRUMP


A través de nuestro compañero José Armando santiago hemos recibido este mensaje de la asociación de geógrafos americanos que creemos que es de UNA GRAN RELEVANCIA para la comunidad iberoamericana. En ella queda claro el rechazo de los geógrafos a las medidas xenófobas y racistas de la administración de Estados Unidos, muy lejos de los principios de las Naciones Unidas y de las Declaraciones y Cartas de la Unión Geográfica Internacional.

Animamos a todos los docentes y profesores a manifestar en esta misma sección y en el foro 23 su rechazo a la discriminación racial que impera en las medidas decretadas por el presidente del país más poderoso del planeta y que nos retrotrae a los años treinta del siglo XX.


https://drive.google.com/file/d/0B_IuEakR7Q8KNGh4MjBBbGJVUlk/view?usp=sharing

sábado, 28 de enero de 2017

A REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO EM GEOGRAFIA EDITA UN NOVO NÚMERO

É com enorme satisfação que nós editores da Revista Brasileira de Educação em Geografia acabamos de publicar o número referente a jul./dez. de 2016 (v.6, n12), o qual temos a honra de contar com um artigo de sua autoria.
Aproveitamos para agradecer a submissão do artigo e por toda a paciência e carinho dispensados nesse processo de avaliação e edição do número.