martes, 8 de septiembre de 2020

XX Fórum de Análise de Conjuntura – UNESP/Marília-SP 24 a 28 de agosto de 2020

 O XX Fórum de Análise de Conjuntura foi realizado pelo Grupo de Estudos da Globalização, da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília-SP em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), entre os dias 24 e 28 de agosto de 2020. Trata-se de um evento anual que comemora em 2020 sua vigésima edição, trazendo ao debate o tema “A conjuntura na América Latina: instabilidade e Resistência”.

A mesa de abertura do evento contou com a participação dos Francisco Luiz Corsi (UNESP), Agnaldo dos Santos (UNESP), Mariana Gusmão de Mendonça (UNIFESP), organizadores do evento.. Em seguida, o tema Movimentos Sociais e pandemia foi discutido pela Profa.  Noemia Ramos Vieira, Prof. Jair Pinheiro e Profa. Silvia A. S. Fernandes, que apresentou o FORUM 26 do GEOFOFO. O vídeo está disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=rC6VwnmM-RA
A análise das consequências sociais, econômicas e políticas da pandemia da COVID-19 foi discutida em diferentes mesas redondas. As outras atividades do evento estão disponíveis no canal do grupo de pesquisa Estudos da Globalização: https://www.youtube.com/channel/UCXHkLugsZH4oEY-W4EZLLBw

Sitiados por la pandemia. Del colapso a la reconstrucción: apuntes geográficos

 Estimad@s colegas:


Ricardo Méndez, integrante del Comité Científico de la RII, Profesor
Honorífico del Departamento de Geografía de la Universidad Complutense de
Madrid e Integrante de la AGE, comparte con tod@s ustedes su último libro:

Méndez, Ricardo (2020), *Sitiados por la pandemia. Del colapso a la
reconstrucción: apuntes geográficos*, Editorial REVIVES, Madrid.
http://revives.es/publicaciones/



*INDICE GENERAL *

*Introducción  5 *

*Capítulo 1. La difusión de una pandemia  15 *

1.1. La amenaza de riesgos sanitarios globales: algunas evidencias 17

1.2 Del saber experto a la conciencia colectiva y la acción política: sobre
ciencia, comunicación y poder  2

1.3. La difusión espacio - temporal de la COVID-19:  tendencias generales
 29

1.4. La selectiva propagación del contagio: algunas claves geográficas. 39

1.5. Los espacios metropolitanos como epicentro de la pandemia y sus
contrastes internos  47

*Capítulo 2. El freno a la movilidad y sus consecuencias  55 *

2.1. La sociedad hipermóvil y sus límites  56

2.2. Pandemia, desindustrialización y reordenación de las cadenas de valor
globales  59

2.3. Impactos sobre el transporte marítimo y aéreo  66

2.4. La brusca reducción del turismo internacional: el discurso de la
amenaza. 71

2.5. Migrantes y pandemia: una relación olvidada  78

*Capítulo 3. Pandemia, crisis sistémica y nuevas desigualdades. 83 *

3.1. Fragilidad y crisis del capitalismo global: nuevas evidencias  85

3.2. Los mercados financieros e inmobiliarios ante una nueva crisis  95

3.3. Impactos asimétricos sobre el empleo y nuevas brechas sociales. 101

3.4. Una nota sobre la reactivación del teletrabajo. 112

3.5. La desigual vulnerabilidad de los territorios frente al impacto
sociolaboral de la pandemia en España. 117

*Capítulo 4. Reconstruir el mundo tras la pandemia: *

*cuestiones de geografía política  127 *

4.1. La pandemia como catalizadora de la transición geopolítica:

la paradoja de China. 129

4.2. Estados Unidos y la Unión Europea frente al espejo del declive. 137

4.3. Entre la sobredosis de neoliberalismo y la revitalización del Estado
social. 146

4.4. Frente a la reincidencia, la resiliencia: apuntes para la
reconstrucción  153

*A modo de epílogo 159 *

*Bibliografía 163*

jueves, 3 de septiembre de 2020

EL GEOFORO Y LA PANDEMIA

 Hemos preparado un manifiesto sobre la necesidad de actuar y ofrecer nuestros argumentos educativos y sociales al conjunto de la población. Con este enlace podéis firmar el  manifiesto, como ya hemos hecho nosotros:

https://docs.google.com/document/d/1grFDfkqiwh2UGv_QqDMN29yj9D7bYketWztJENvU1sk/edit?usp=sharing

En el apartado "firmas", cualquiera puede escribir sin problema. Debemos poner el nombre y la institución en la cual trabajamos o representamos. A las personas que hemos tomado esta iniciativa nos gustaría mucho que en estos momentos trascendentales para la humanidad nos apoyéis con vuestra firma. Queremos impulsar un debate serio y riguroso sobre esta pandemia. Contamos con vosotros/as para difundir entre otros colegas el manifiesto.

Ya han firmado más de CIEN PERSONAS. Ahora queremos que este documento pueda servir de debate y producción de materiales didácticos. Contamos con todas las personas que colaboran en el Geoforo en su difusión y producción

Un abrazo
Consejo directivo del Geoforo

miércoles, 19 de agosto de 2020

Projetos premiados, Nós Propomos 2019/20

 No arquivo adjunto podemos ler o relato que fai o nosso colega Sérgio Claudino, do INSTITUTO  DE  GEOGRAFIA  E  ORDENAMENTO  DO  TERRITÓRIO (IGOT, Universidade Lisboa) do Projeto Nós Propomos! Projetos premiados em 2019/20. A valorização de problemas locais.

Um projeto que implica a participação escolar da escola


Projeto Nós Propomos! Projetos premiados em 2019/20. A valorização de problemas locais



Sérgio Claudino, CEG, IGOT-ULisboa, sergio@campus.ul.pt



Surgido em 2011/12 no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa, o Projeto Nós Propomos! desafia os jovens (e, por vezes, crianças ou idosos) a olharem criticamente para a comunidade em que habitam, a identificarem os seus problemas socioambientais, a realizarem trabalho de campo sobre os mesmos e apresentam propostas de ação, que depois partilham publicamente – como está bem caraterizado no Foro dedicado ao Projeto no Geoforo, Foro 124 (http://www.geoforo.unam.mx/secforo/viewtopic.php?t=16) (antes, Foro 24). Desta forma, os mais jovens tentam dar um contributo efetivo para as tomadas de decisão locais, na perspetiva de uma educação geográfica e cidadã de que, sob vários aspetos, o Projeto Nós Propomos! tem sido percursor.

Desde seu o primeiro ano, têm sido atribuídos prémios aos melhores projetos e, a partir de 2014/15, foram criados concursos temáticos, que valorizam diferentes competências artísticas e de comunicação dos alunos. Em 2017/18 não foi atribuído nenhum prémio nacional, devido a um debate sempre delicado: o Projeto Nós Propomos! é, por definição, um projeto basista que valoriza o contributo de todos os alunos para a sua comunidade. A atribuição de prémios faz emergir uma dimensão concorrencial que contraria aquele princípio do Projeto. Contudo, após a experiência de 2017/18, alunos e professores transmitiram a sua preferência por continuarem a existir prémios nacionais e os mesmos foram retomados no ano seguinte.

Em março de 2020, a pouco mais de um mês da submissão dos trabalhos, o Projeto Nós Propomos! foi “atropelado” pela pandemia, como aconteceu por todo o mundo. O Seminário Nacional foi cancelado e as aulas presenciais suspensas, como é conhecido. Contudo, foi dada continuidade ao Projeto e concursos, adiando a submissão dos trabalhos em duas semanas, dada toda a perturbação que se viveu. Admitimos que o número de trabalhos submetidos diminuísse fortemente, o que só parcialmente aconteceu. Foram submetidos 328 projetos (5 do Projeto Nós Propomos! Pequenos Grandes Cidadãos, para mais jovens), de 46 escolas; antes da pandemia, tínhamos estimado cerca de 420 propostas, ou seja, houve uma redução de cerca de um quarto dos projetos – o que evidenciou uma resiliência assinalável do Projeto. Subitamente fechados em casa, muitos alunos tiveram mais tempo para elaborarem as suas propostas, a partir do trabalho de campo que já tinham efetuado. A seleção dos melhores projetos foi efetuada por um júri constituído no âmbito do IGOT, constituído pelos seguintes professores: Herculano Cachinho, Helena Esteves, Ricardo Garcia e Katielle Silva. Este júri destacou como caraterísticas transversais aos projetos dos alunos*:

  1. A preocupação com a inclusão, a sustentabilidade e a participação ativa da população foi transversal à maioria dos projetos, o que nos conforta dado estas preocupações serem verdadeiras âncoras do Projeto Nós Propomos!

  2. Como metodologias usadas, destacam-se os inquéritos, a observação e a estatística descritiva da informação recolhida em primeira mão, através de inquéritos à população e entrevistas a responsáveis por entidades locais.



Segue-se a lista dos Projetos distinguidos, com o respetivo link de acesso e uma pequena síntese, tanto no âmbito do Projeto Nós Propomos! Cidadania e Inovação na Educação Geográfica (dirigido a alunos do ensino secundário, dos 16 aos 18 anos), como daqueles dos alunos mais pequenos (Pequenos Grandes Cidadãos, dos 6 aos 11/12 anos) – neste caso, e perante um número reduzido de projetos, o Júri Nacional decidiu, muito bem, premiar ex aequo todas as propostas submetidas.

Os projetos são de âmbito diverso, todos com uma forte componente local O projeto classificado em 2º lugar surge como de âmbito nacional (integração de jovens transgénero nas escolas) mas, na realidade, em Viseu têm existido problemas de homofobia, pelo que há um efetivo significado local da proposta.

Estes projetos são expressão, na realidade, de um trabalho coletivo desenvolvido nas escolas de todo o país em torno dos problemas locais – mas, mais importante do que as propostas, está a educação de valores desenvolvida pelos alunos. Serão, agora, cidadãos mais atentos e comprometidos com os problemas da sua comunidade. E esta é, cada vez mais, uma finalidade renovada da educação geográfica não só em Portugal como na Iberoamérica, através do Projeto Nós Propomos!



Prémios Nacionais

1º lugar

AE de Vilela, Paredes (Ana Catarina Ferreira, Ariana Moreira, Carla Gomes da Silva, Carlos Nunes Seabra; docente: Dr. Emídio Batista)

Os jovens e a oferta cultural em Rebordosa

https://drive.google.com/open?id=1_qQeIZzQf394-GOdW-D2COmKZ3MgAx2o

No concelho de Paredes há uma das populações mais jovens do país, mas na cidade de Rebordosa existe uma reduzida oferta cultural para jovens. Após auscultarem outros jovens, o/as alun@s apresentam propostas que potenciam a utilização das infraestruturas já existentes e apresentam ainda outras sugestões que propiciem a participação daqueles em atividades culturais.

 2º lugar

ES Emídio Navarro, Viseu (Catarina Coimbra, Larissa Cabral, Luana Bispo, Marta Correia, Sara Almeida; docente: Dra. Lurdes Marques)

Inclusão social de pessoas transgénero

https://drive.google.com/open?id=1n8UsjIaZNWffJk8eU_ng01jYS6tZUr4b

Nas escolas portuguesas, há duas centenas de alunos transgénero. As autoras da proposta, depois de inquirem a população de Viseu, sugerem medidas de integração destes alunos, centradas sobretudo numa mudança de atitudes em relação às pessoas transgénero.

3º lugar

ES de Penafiel (Luciana Leite, Rita Moreira, Mariana Silva, Luana Alves, João Ferreira, Constança Silva; docente: Dra. Filipa Fontinha)

Acolhimento de (i)migrantes na cidade de Penafiel

https://drive.google.com/open?id=1KFo9xImJtGzgYVuZdDC3Rb5J-Ylhmnjy

Em Penafiel, há um grande envelhecimento da população. O acolhimento de imigrantes é uma importante resposta a este problema. Após um amplo trabalho de campo, é proposta a criação uma associação/ONG de apoio aos imigrantes e sugere-se que estes venham a ocupar edifícios do centro da cidade de Penafiel que se encontram abandonados – o que também ajudaria a combater este problema urbanístico.



Menções Honrosas

ES João de Deus, Faro

A Baixa de Faro- sua Decadência (Carolina Pinto, Daniela Dias, Hugo Sousa, Isadora Almeida, Mariana Nascimento, Sara Romeira; docente: Dr. Fernando Palma Gomes)

https://drive.google.com/open?id=1yR9YTndQWp5lUqSYOuJh78LD8J24xDsH

O comércio tradicional da baixa de Faro está em crise, perante a concorrência dos centros comerciais. O que fazer?

ES Poeta António Aleixo, Portimão

Um parque para todos (Guilherme Catarino, João Mugeiro, Margarida Dinis, Martim Duarte e Miguel Marques; docente: Dra. Rogélia Moreira)

https://drive.google.com/open?id=1oFiApTkqdY6-zbv1uCR19r4IQzgcxw5P

Portimão tem crescido muito, precisa de um parque de cidade, a instalar na Bemposta, com espaços para cães, área de merendas, parque infantil, trilho de exercício físico e skate parque.

Mais Exercício Físico para todos em Portimão (Diana Alfinete, Diogo Paiva, Gonçalo Santos, Rafael Vela, Manuela del Bosco; docente: Dra. Teresa Sintra)

https://drive.google.com/open?id=1Sd1yK8Zi3z9x4XbxyjjAgJZw2nw3NU8C

Para combater o sedentarismo, os alunos propõem a valorização da marginal de Portimão, com instalação de equipamentos desportivo.

 

Prémio Nacional Nós Propomos! Pequenos Grandes Cidadãos 

(atribuído, ex aequo, às turmas participantes e ao grupo vencedor da turma do 5º E)

 

Escola Básica de Santa Maria/AE Artur Gonçalves, Torres Novas

4º J Fauna e Flora – Uma horta vamos criar para o planeta salvar e “O Olaf vai à horta”, Docente: Dr.ª Carla Gameiro

https://drive.google.com/open?id=1M9ZAvps97Opby03xbxSqQnKAyjibNMV0

https://drive.google.com/open?id=1Vf8ZhH4wYBrIG0cQXu9kuxNz5I1zeplx

Alunos constroem uma horta em terreno da escola e criam uma história em que as próprias crianças e animais dialogam na resolução de problemas que aí ocorrem.

 

Escola Básica de Santa Maria/AE Artur Gonçalves, Torres Novas

3º I Criação de uma Praia Fluvial. Docente: Dr.ª Cláudia Vieira

https://drive.google.com/open?id=1OQqkMq0HzocuHUliRihbysEF9FmZPl_t

Os alunos imaginaram uma praia fluvial (numa cidade afastada do mar) e identificaram um local do rio Almonda que consideram indicado para a construção da mesma.

Escola Básica de Santa Maria/AE Artur Gonçalves, Torres Novas

3º H Nós Propomos – Plástico… não! Docente: Drª Maria Teresa Freire

https://drive.google.com/open?id=13XYSb-Tppdj1boYITzi2q-XsDCYGo9gU

Preocupados com a utilização e os seus efeitos no ambiente, os alunos propõem medidas para diminuir a sua utilização, entre elas a utilização de sacos reutilizáveis.

Escolinha do Largo/Cascais

A nossa intervenção… aqui nós propusemos

https://www.facebook.com/EscolinhaDoLargo/videos/158485598783361/

 Aos alunos da Escolinha do Largo debruçaram-se sobre os problemas locais, identificaram vários, da recolha de resíduos ao estacionamento automóvel e apresentam as suas propostas.

Escola EB 2,3, de Palmeira/AE Sá de Miranda

Acesso ao ATL da Casa do Povo de Palmeira (Jorge Cunha, Guilherme Machado e André Fernandes, 5º E; docente: Dr.ª Maria Luísa Dantas)

https://drive.google.com/open?id=1GSa2GfeV9JE0sWqfKgVeJRI838SpnHHo

O ATL (Atividades de Tempos Livres) da Casa do Povo de Palmeira serve alunos de várias escolas locais. Contudo, o acesso por carro por parte dos pais dos alunos, que os vão buscar é difícil e mesmo perigoso, por se encontrar junto à estrada nacional. Alunos apresentam três interessantes propostas de como melhorar o acesso ao ATL, com benefício para todos, também para a população local. 





*Cachinho, H; Esteves, M. H.; Garcia, R.; Silva, K. (2020). Prémio Nacional Nós Propomos! Ano letivo 2019/2020. Lisboa: IGOT-ULISBOA (pol).


jueves, 4 de junio de 2020

Fallecimiento de Joan Pages Blanch

Queridas compañeras, queridos compañeros:
Desde el Geoforo Iberoamericano lamentamos tener que comunicar el fallecimiento del profesor Joan Pagès. Es conocida de todos la gran aportación que Joan ha hecho al Área de Didáctica de las Ciencias Sociales, en España y en Latinoamérica.
Su finalidad en la Didáctica de las Ciencias Sociales (DCS) ha sido transformar las prácticas de enseñanza, apostar por la formación de un profesorado reflexivo, así como de ciudadanos. Así ha trabajado por la construcción de una DCS entendida más allá de las recetas. Pagès es uno de los referentes obligados en la enseñanza de las ciencias sociales en España, Francia, Italia y América Latina. Su producción académica es amplia, con artículos en revistas, libros y capítulos de libros, actas de congresos y en la misma red.


Joan Pagès Blanch